Pelo Estado Entrevista: Fernanda Bornhausen Sá

12.11.2012

"O poder de mudança está na ponta dos nossos dedos"

 

Entrevista: Fernanda Bornhausen Sá

 

Fernanda é psicóloga, com especializações em Administração e Orientação Profissional. Possui mais de 20 anos de experiência na área de Comunicação e Publicidade, como sócia e dirigente de agências de publicidade. É presidente voluntária do Instituto Voluntários em Ação (IVA), onde idealizou e lançou o www.voluntariosonline.org.br e o www.socialgoodbrasil.org.br. É sócia e diretora da Clear Educação e Inovação e parceira do Synergos Institute. Em meio à correria pós a organização do Seminário Social Good Brasil, realizado entre os dias 6 e 8 deste mês, em Florianópolis, ela concedeu uma entrevista à Central de Diários/ADI-SC/CNR-SC para falar sobre transformação social e a revolução que a tecnologia está promovendo no serviço voluntário.

 

[PeloEstado] - Fale sobre a história do Voluntaria­do Online e do Instituto Voluntários em Ação.

 

Fernanda Bornhausem Sá - O Instituto foi criado em um movimento ideali­zado pela Dra. Ruth Cardo­so, em 1997, no qual foram instalados dez centros de voluntariado no Brasil. Por uma década atuamos na grande Florianópolis com milhares de voluntários e mais de 100 ONGs através do voluntariado presencial. Em 2008, lançamos o www.voluntariosonline.org.br, que introduziu o volunta­riado online no Brasil e que hoje conta com mais de 46 mil voluntários e 780 ONGs em todo o país. Em quatro anos, o voluntariado através da internet cresceu muito e hoje é uma prática de mi­lhares de pessoas, a maioria delas bem jovem e com esco­laridade elevada.

 

[PE] - Quais são as prin­cipais áreas de atuação?

 

Fernanda - O Instituto Vo­luntários em Ação atua com voluntariado, presencial e online, capacitação de ONGS e Tecnologia para mudança social. Nosso mais novo pro­grama é o Social Good Bra­sil, que foi lançado esse ano e que já envolve milhares de pessoas em todo o Brasil.

 

[PE] - E como a tecnolo­gia tem contribuído para a transformação social?

 

Fernanda - O avanço da tecnologia nos proporcio­nou oportunidades nunca pensadas para uma grande transformação social, lem­brando que a tecnologia é o meio e que a transformação tem sido feita pelas pessoas, por cada um de nós. Temos, no Brasil, diversos exem­plos, como o site Saútil, que ajuda quem precisa marcar uma consulta pelo SUS ou tomar alguma medicação e não sabe onde encontrar o serviço. A página reúne in­formações de mais de 32 mil unidades de saúde em 4 mil municípios brasileiros. E outros exemplos como esse podem ser conferidos no site do www.sgb.org.br.

 

[PE] - As mídias sociais são uma nova forma de engajamento. Como elas estão mudando o volun­tariado?

 

Fernanda - As mídias so­ciais permitem que as pes­soas se conectem umas às outras e realizem suas ações voluntárias com muito mais impacto. O que era, há cinco anos, realizado por poucas pessoas, hoje está sendo re­alizado por milhares, muitas vezes ao mesmo tempo. Te­mos, hoje, além dos voluntá­rios, os agentes livres.

 

[PE] - Cite um caso que marcou.

 

Fernanda - Gosto muito do case da Charity Water, ONG que já ajudou mais de dois milhões de pessoas e tem cerca de 6.200 proje­tos completos e em execu­ção que promovem o aces­so à água potável. Aqui no Brasil tem vários, mas vou citar um que esteve no So­cial Good Brasil e que é de uma voluntária do Volun­tários Online: o Padrinho Nota 10. Adelize de Oliveira utiliza seus conhecimentos em informática para causas sociais. Tudo começou com um blog e o seu apadrinha­mento de uma criança do ActionAid. Depois, com a sugestão de seu sócio, An­dré Sá, ela criou um site que lista todos os abrigos para crianças existentes no Brasil, com um espaço para que as pessoas pudessem comentar sobre as institui­ções se já as conhecessem. Desse modo, as instituições conseguiriam mais doações e voluntários. Com a ajuda de uma voluntária muito especial, sua mãe, montou o site, cadastrando os orfana­tos que se encontravam na internet. No ar desde o final de 2010, conforme passa­va o tempo, o número de acessos diários aumentava. Atualmente 1.500 pessoas visitam o site do Padrinho Nota 10, em sua maior par­te interessadas em trabalho voluntário. Nele, são divul­gados não só os endereços e telefones das instituições, como também os e-mails das mesmas, facilitando a comunicação entre as insti­tuições e voluntários.

 

[PE] - As novas gera­ções estão mais preocu­padas com o que acon­tece no mundo?

 

Fernanda - Estão muito mais preocupadas. É sim­plesmente maravilhoso ver a forma como os jovens es­tão encarando a nossa so­ciedade e como estão atu­ando por um Brasil mais justo e solidário.

 

[PE] - O brasileiro tem um perfil solidário?

 

Fernanda - Sim, muito so­lidário. Hoje temos milhões de brasileiros desenvolvendo trabalhos voluntários online e presencialmente. Isso já faz parte do dia a dia dos brasi­leiros. Segundo pesquisa do Ibope realizada ano passado, 1 em cada 4 brasileiros reali­za trabalhos voluntários.

 

[PE] - Como estimular as pessoas a participarem?

 

Fernanda - Esse é um tra­balho de um a um, um mo­vimento de quem acredita e inspira outros. Uma grande rede do bem.

 

[PE] - Que conselho daria para quem quer montar um projeto?

 

Fernanda - Estude muito, se informe e elabore o projeto com visão de empreendedor.

 

O Social Good Brasil

 

O Social Good Brasil integra um grande movimento global que tem como objetivo ampliar e difundir o uso da inovação, das novas mídias e da tecnologia com foco na transformação social. “Foram três dias de intensas discussões, aprendizado e compartilhamento de boas ideias”, afirma Fernanda. Ao todo, mais de 1.300 pessoas participaram das atividades durante os três dias de seminário e outros 10 mil usuários acompanharam a transmissão ao vivo pela internet, em português e inglês. O evento mobilizou as redes sociais: a página no Facebook tem mais de 11mil fãs e as visitas ao site do SGB ultrapassaram a marca dos 50 mil. No total, o impacto do evento na internet atingiu cerca de 3,5 milhões de pessoas. “O Social Good Brasil colocou Santa Catarina e o Brasil na conversa global em favor das iniciativas para o bem social. E esse foi só o começo, pois o Social Good Brasil é agora de cada um de nós e o poder de mudança está na ponta dos nossos dedos”, conclui.


Camila Latrova

Florianópolis, 12 de novembro de 2012.

Pelo Estado Entrevista

Visualizar todos