[Pelo Estado] Entrevista Presidente do CREA-SC Carlos Alberto Kita Xavier - 14/11/2016

14.11.2016

CREA-SC vai oferecer orientação a prefeitos eleitos

Natural de Erechim (RS), é engenheiro civil (UFSC, 1993), com especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho (UFSC, 1997). Foi eleito presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-SC) para o biênio 2012/2014 e reeleito para 2015/2017. Antes disso, dentro do CREA-SC, atuou como conselheiro na Câmara Especializada de Engenharia Civil, vice-presidente, coordenador da Comissão de Engenharia de Segurança do Trabalho, coordenador-adjunto da Câmara Especializada de Engenharia Civil e membro da Comissão de Ética Profissional. Também preside a Associação dos Conselhos Profissionais (Ascop-SC) - com 19 conselhos e ordens profissionais e a participação de mais de 350 mil associados - para o biênio 2015/2016. Nessa entrevista exclusiva à Coluna Pelo Estado, Carlos Alberto Kita Xavier fala do impacto da crise sobre o setor, ações de valorização dos profissionais e anuncia: “Os planos para meu último ano são firmar novas parcerias e manter uma gestão ética e transparente”.

[PeloEstado] - Quando o senhor tomou posse como presidente do CREA-SC, em 2012, falou da necessidade de valorizar a Engenharia catarinense. O que foi feito neste sentido e o que ainda planeja?
Kita Xavier -
Estamos nos aproximando do último ano de mandato e foram cinco anos de muito trabalho, projetos, ações e conquistas. A valorização profissional deve ser constante. Na minha primeira gestão, transformamos o Conselho numa instituição de excelência implantando o Programa ISO 9001 e o Projeto de Sustentabilidade. Ampliamos os investimentos no Programa CREAjr, com foco na formação de novas lideranças, que reúne hoje cerca de 17 mil estudantes. Informatizamos os processos nas câmaras especializadas e implantamos a votação eletrônica no plenário. Defendemos a criação de uma legislação específica para a manutenção predial e contribuímos com o aperfeiçoamento das Normas de Segurança Contra Incêndio no estado. Criamos o Grupo de Trabalho Empresarial, lançamos a Cartilha de Acessibilidade e o Manual do Síndico com objetivo de orientar os profissionais e a sociedade. A fiscalização de obras públicas, a ocupação de cargos técnicos por profissionais habilitados e o cumprimento do salário mínimo profissional foram outras ações importantes.

[PE] - Neste segundo mandato, quais as prioridaes?
Kita Xavier -
Priorizamos a modernização dos serviços e o combate ao exercício ilegal da profissão e o fortalecimento das entidades de classe. Estamos mantendo uma gestão ética, eficaz e transparente. Investimos nas campanhas de valorização, mostrando à sociedade a importância da engenharia, dos profissionais e dAnotação de Responsabilidade Técnica (ART). Aprimoramos o Programa de Educação Continuada com apoio e representação nos eventos técnicos. Renovamos a frota de veículos da fiscalização. Lançamos também a Cartilha da Engenharia e Arquitetura Públicas, que visa atender as famílias de baixa renda em todo o estado, entre outras ações.

[PE] - Que ações o CREA-SC realiza e que são de interesse da sociedade como um todo?
Kita Xavier -
Podemos citar o trabalho do GT entre o CREA-SC e o Corpo de Bombeiros de Santa Catarina com o objetivo de revisar as instruções normativas de segurança contra incêndios no estado, que iniciaram em 2013, após a aprovação da lei que confere poder de polícia ao Corpo de Bombeiros e institui normas e requisitos mínimos de prevenção e segurança contra incêndio no estado. Temos também a participação do CREA no GT criado pelo governo do Estado para acompanhar o andamento das obras de restauração da ponte Hercílio Luz; participação no Conselho Metropolitano para desenvolvimento da Grande Florianópolis (Comdes); a fiscalização de obras públicas e a parceria com o Ibraop e TCE-SC visando valorizar e orientar os profissionais; participação nos convênios com o Ministério Público e outros órgãos visando à fiscalização de agrotóxicos e a segurança dos alimentos, entre outros.

[PE] - O estado vem lidando há algum tempo com déficit de engenheiros. Como está a situação?
Kita Xavier -
A demanda por engenheiros nas últimas décadas vem crescendo. Se há déficit, é resultado de vários fatores, entre eles grande demanda, alto índice de engenheiros desviados de sua função, o número significativo de desistência dos cursos e, consequentemente, a diminuição no número de profissionais formados. Ao mesmo tempo, nos últimos três anos, atravessamos um período de crise econômica, social e política no país, com leve retração em alguns setores como, por exemplo, na construção civil, com diminuição de empregos, sobretudo da classe operária.


[PE] - Como os segmentos profissionais abrangidos pelo CREA-SC estão passando pela crise?
Kita Xavier -
O Brasil necessita de um projeto de desenvolvimento em longo prazo com a participação efetiva dos profissionais da área tecnológica, tendo como vanguarda o conhecimento técnico científico. Toda crise gera oportunidades, mas é necessário passarmos por mudanças estruturais e comportamentais. A Agronomia e a Engenharia têm participação expressiva na economia em diferentes frentes, como a extração de recursos naturais, a indústria e a infraestrutura, que abrange setores como saneamento, água e energia, transporte público, mobilidade, habitação e sustentabilidade ambiental. São obras sistêmicas com enorme cadeia produtiva. A construção civil, por exemplo, tem participação expressiva no equilíbrio do PIB brasileiro, ora impulsionando ora freando o crescimento do país, assim como o agronegócio.

[PE] - As dificuldades do momento podem levar à informalidade/ilegalidade em construções?
Kita Xavier -
Creio que a crise pode ser uma oportunidade para evidenciarmos ainda mais a importância do trabalho dos profissionais habilitados que detêm o conhecimento técnico, sobretudo para apontar soluções às dificuldades e impasses. O CREA-SC reúne a maior comunidade profissional do estado entre engenheiros, agrônomos, geólogos, geógrafos, meteorologistas, tecnólogos, técnicos industriais e agrícolas, com mais de 62,5 mil profissionais registrados e mais de 14,5 mil empresas. A nossa principal função é a fiscalização do exercício profissional que atua de forma preventiva e orientativa com objetivo de defender a sociedade e garantir o exercício profissional a quem possui habilitação, coibindo a atuação de leigos.

[PE] - Burocracia e demora em licenciamentos também prejudicam o setor? Qual a orientação do CREA-SC?
Kita Xavier -
As questões burocráticas, ambientais, jurídicas e de licenciamentos sempre geram debates no setor. Além do conhecimento técnico e da legislação é preciso imperar o bom senso. É necessário encontrar o equilíbrio entre o desenvolvimento econômico, a preservação do meio ambiente e o bem estar social. Um exemplo claro são as obras do trecho Sul da BR-101, onde questões ambientais e de licenciamento, entre outros fatores, geraram grandes atrasos. Dessa forma, temos o Norte do estado beneficiado pela expansão econômica devido a duplicação mais rápida e a região Sul ainda sofrendo com problemas de mobilidade, escoamento da produção, segurança e violência nas estradas. Temos também as obras do Contorno Viário da Grande Florianópolis, travadas por questões de licenciamento e mudanças no traçado. O que o Conselho realiza é a fiscalização das atividades técnicas necessárias para a obtenção dos licenciamentos, verificando a existência de profissionais responsáveis e das ARTs.

[PE] - O CREA-SC terá alguma atividade direcionada aos prefeitos eleitos? Com que objetivo?
Kita Xavier -
Estaremos visitando os prefeitos eleitos das principais cidades do estado e apresentando a Cartilha da Engenharia e Arquitetura Públicas, documento que divulga e esclarece sobre a lei 11.888/2008, que assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para o projeto e a construção de habitação de interesse social. A cartilha traz orientações e informações visando à organização de ações conjuntas destinadas à capacitação de órgãos públicos e prefeituras a fim de incorporar o projeto em seus planos municipais e promover o cadastramento de profissionais e estudantes habilitados. Estaremos ressaltando também a importância da ocupação de cargos técnicos por profissionais legalmente habilitados nas prefeituras e o cumprimento do salário mínimo profissional.

[PE] - Quais os planos para 2017?
Kita Xavier -
Como instituição representativa e social, o CREA-SC tem o dever de participar dos debates dos grandes problemas sociais, utilizando o conhecimento técnico científico como ferramenta para propor soluções viáveis que ofereçam segurança à sociedade. Um dos caminhos é trabalhar em parceria com outros órgãos representativos e governamentais por meio de ações e campanhas em prol da acessibilidade, mobilidade urbana, sustentabilidade ambiental, prevenção de catástrofes e incêndios, manutenção predial, fiscalização de obras públicas, entre outras. Os planos para meu último ano são firmar novas parcerias e manter uma gestão ética e transparente.

Editada Andréa Leonora
redacao@peloestado.com.br

Visualizar todos