59,9% das rodovias estaduais estão em péssimas condições

30.10.2012

Do Portal RedecomSC

 

São Lourenço do Oeste - Quase dois terços das rodovias pavimentadas do Brasil estão em situação regular, ruim ou péssima. É o que aponta a 16ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada na última semana pela Confederação Nacional do Transporte. Em Santa Catarina, das 31 rodovias e trechos viários avaliados pela pesquisa, temos oito considerados ruins, quatro péssimos, dois ótimos e nove bons. Dos 3,049 mil quilômetros pesquisados, 40,1% são tidos como estado ótimo/bom e 59,9% como regular/ruim/péssimo.

Uma das piores rodovias do Estado catarinense é a SC-468 (SC-157), conforme avaliação do próprio Estado. Ela, inclusive, está sendo alvo de projeto para revitalização de todo o trecho que liga São Lourenço do Oeste a Chapecó, totalizando 95,8 quilômetros.

De acordo com informações do Departamento Estadual de Infraestrutura de Santa Catarina (Deinfra), está prevista a implantação de 44 quilômetros de faixa adicional, além da construção de 7,23 quilômetros de vias marginais, novas interseções, 118 locais de parada de ônibus com abrigo de passageiros, melhoria de curvas, passarelas para pedestre e travessia urbana em 12 quilômetros.

SC-480

Uma rodovia muito importante para a região Oeste é também a SC-480, que liga São Lourenço do Oeste a Xanxerê. Em maio deste ano, o Governo do Estado autorizou a reabilitação de um trecho de 45 quilômetros, com um custo total de R$ 45.853.021,45. O governador Raimundo Colombo esteve pessoalmente em São Lourenço do Oeste para lançar o edital.

Regiões e estados

A pesquisa da CNT avaliou 27,187 mil quilômetros no Sudeste, 26,739 mil no Nordeste, 16,842 mil no Sul, 14,546  mil no Centro-oeste e 10,393 mil quilômetros no Norte. O levantamento também mostra os resultados por estado e no Distrito Federal. A unidade com o maior percentual de rodovias em ótima situação é São Paulo, com 49,9% do total, seguida por Rio de Janeiro (20,6%) e Paraná (18%). Os estados com maior percentual de estradas em péssimas condições são o Acre (38% do total), Roraima (25,3%) e Amazonas (22,5%).

Para o presidente da CNT, senador Clésio Andrade, "os resultados apresentados neste relatório subsidiam a elaboração de políticas públicas de manutenção de rodovias pelos governos federal, estaduais e municipais, assim como a criação de marcos legais que traduzam as necessidades de uma infraestrutura rodoviária condizente com os desejos de progresso do Brasil".

Visualizar todos