Firjan: mais de 70% das cidades de SC estão em situação difícil ou crítica

14.08.2017

Das dez cidades mais populosas de Santa Catarina, a metade encontra-se em situação fiscal “difícil” ou “crítica”: Lages, Jaraguá do Sul, Criciúma, Chapecó e Joinville, sendo que as três últimas começaram o ano com mais restos a pagar do que recursos em caixa. Por outro lado, Blumenau, São José, Itajaí e Palhoça registraram boa gestão fiscal. As informações constam da nova edição do Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF), da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, com base em dados de 2016 declarados pelas prefeituras à Secretaria do Tesouro Nacional (STN). De acordo com matéria divulgada pela Federação, a maior parte das cidades catarinenses tem dificuldades para a administração dos recursos públicos - 70,1%, para um índice nacional de 86%. Ainda assim, a análise dos indicadores mostrou que os municípios do estado apresentaram desempenho superior à média nacional em todos os indicadores. As duas melhores, conforme o estudo, estão entre os dez melhores resultados do país: Bombinhas e Balneário Camboriú alcançaram status de excelência na gestão fiscal. Baixo comprometimento do orçamento com custo da dívida e alto nível de investimentos colocam Joaçaba, Gaspar, Barra Velha, Garopaba, Pinheiro Preto, Bom Jardim da Serra, Águas Mornas e Schroeder também no grupo das 100 melhores do país. Já Anita Garibaldi e Calmon estão nos últimos lugares do ranking estadual. A Federação Catarinense de Municípios (Fecam) ainda não se manifestou sobre o estudo.

Visualizar todos