Santa Catarina tenta renegociação da dívida com a União

18.07.2012

 

A reestruturação da dívida catarinense com a União, que hoje compromete 13% da receita líquida do Estado e soma R$ 9,8 bilhões foi um dos principais pleitos levados pelo governador Raimundo Colombo e pelo secretário de Estado da Fazenda, Nelson Serpa, à Brasilía  durante reunião no Ministério da Fazenda com o secretário-exceutivo da pasta, Nelson Barbosa, nesta última terça-feira (17). 
 
Segundo Colombo, na década de 90, a renegociação foi um alívio para os estados, mas atualmente, funciona como um torniquete para capacidade de investimento. "A demanda foi bem recebida e a equipe técnica da Fazenda vai avaliar o pedido catarinense.
 
Outros assuntos
 
Os outros dois temas foram o BID 6 e uma regulamentação para as empresas estrangeiras de automóveis se instalem no Brasil. Santa Catarina tem hoje duas grandes empresas interessadas em se fixar no Estado, a produtora de caminhões chinesa Sinotruck, em Lages, e a alemã BMW, em Araquari. 
 
O interesse do Executivo é que as empresas que iniciem seu processo de instalação no país passem a ter uma redução gradativa na carga de 30% do IPI para os automóveis importados até que cumpram a porcentagem necessária de componentes nacionais.
 
Alemanha
 
Colombo deve ir à Munique, sede da BMW, para finalizar as últimas pendências com a empresa. A ida para a Alemanha está pré-agendada para o mês de agosto. A sinalização da Fazenda é de que essa medida já estava nos planos do Ministério e deve ser encaminhada após a aprovação das Medidas Provisórias do Plano Brasil Maior no Congresso.
 
Sobre o BID, Colombo discutiu quais as etapas que precisam ser vencidas para receber os cerca de R$ 250 milhões da segunda etapa do sexto financiamento de Santa Catarina com o Banco Interamericano do Desenvolvimento. Além disso, recebeu informações dos encaminhamentos que o Estado deve fazer para se beneficiar com a liberação do recurso. A estimativa é que o processo burocrático leve cerca de 90 dias.
Visualizar todos